RSS

A Biblioteca na imprensa

12 Mar

A Agência Lusa visitou a Biblioteca da Sá da Bandeira – eis o artigo publicado online:

«Santarém: Biblioteca do antigo Liceu contém “raridades” que esperam “mecenato esclarecido”

A biblioteca da Escola Secundária Sá da Bandeira (ESSB), em Santarém, contém algumas “raridades”, como uma edição contemporânea (de 1683) da coleção dos “Sermões”, do padre António Vieira.

Fundada em 1843, então como Liceu Nacional de Santarém, a ESSB guarda na sua biblioteca edições que remontam a 1600, com alguns exemplares raros, como as obras de Cícero ou os “Sermões”, e um “núcleo ultramarino” que, sublinha a sua responsável, merecia ser estudado.

“É uma biblioteca fabulosa. Quem aqui vier fica fascinado. Não pode deixar de ficar”, disse à agência Lusa Celeste Lopes, a professora que dirige a biblioteca.

“Quando se vê o filme do Manoel de Oliveira (‘Palavra e Utopia’, de 2000) e se vê o padre António Vieira a cuidar da edição dos ‘Sermões’, vejo o filme e vejo aqueles livros, a que falta o 9.º volume, a série ‘Rosa Mística’ (mandada retirar pela Inquisição)”, afirmou.

Celeste Lopes manuseia com cuidado os exemplares raros que dão sinais de deterioração, falando com entusiasmo do acervo de que se tornou responsável em 2010, após uma “pequeníssima formação”.

Entre os perto de 20.000 volumes que se repartem entre a sala aberta aos alunos (com perto de 5.000 livros) e o espaço reservado (que tem gosto em mostrar a quem quiser conhecer as “preciosidades” da biblioteca), são muitos os que se distinguem pela encadernação, dando sinal da sua antiguidade.

Da literatura, sobretudo portuguesa, mas também francesa, inglesa e em latim, às ciências, nomeadamente naturais, com trabalhos de gravura “notáveis”, à história, a biblioteca do antigo liceu de Santarém contém ainda inúmeros exemplares bem ilustrativos do Estado Novo.

“Estou convicta de que não haverá muitas escolas com tantos volumes e de tanta qualidade como os existentes no nosso Núcleo Ultramarino, que está bastante inexplorado”, disse à Lusa.

Os volumes existentes na biblioteca, aliados ao material dos núcleos museológicos de zoologia (com uma coleção de empalhados considerável), física, química e antropologia reúnem, no seu entender, um enorme potencial para a criação de um museu que seria ao mesmo tempo um museu da história do ensino em Portugal.

Celeste Lopes vê em todo este material, reunido ao longo de quase 160 anos, também um enorme potencial económico, por exemplo através da venda de pequenas reproduções, o que ajudaria na divulgação ao público.

Reconhecendo a dificuldade das escolas nessa matéria, Celeste Lopes lamenta que a recente recuperação feita pela Parque Escolar não tenha sabido aproveitar melhor o potencial da biblioteca, que nem sequer dispõe de vitrines e painéis que permitam ir mostrando as autênticas peças de museu que guarda.

Mas a grande batalha é conseguir uma parceria ou um mecenato que permita a realização de um inventário, uma avaliação das “raridades”, como a coleção dos “Sermões”, e a recuperação dos volumes que começam a não resistir ao tempo.

“São três passos fundamentais para os quais gostaríamos muito de ter um mecenato, parceiros esclarecidos, instituições que percebam que isto só se faz com tempo”, afirmou.»

A Biblioteca agradece à Lusa!

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: